peb antonio fatorelli.jpg

ANTÔNIO FATORELLI

É professor na graduação e na pós-graduação (PPGCOM) da ECO/UFRJ. É líder do Grupo de Pesquisa 'Fotografia, imagem e pensamento', cadastrado no Diretório de Grupos de Pesquisa do CNPq, e pesquisador do Núcleo N-Imagem (ECO/UFRJ). Publicou recentemente o livro 'Fotografia contemporânea: entre o cinema, o vídeo e as novas mídias'. Coordena o projeto 'Midiateca da ECO/UFRJ' e o ‘Laboratório de Fotografia e Imagem Digital’, da Central de Produção Multimídia (ECO/UFRJ).

APRESENTAÇÃO:
Comunicação: modulações da imagem

Pretende-se examinar, com a apresentação dos ensaios ‘Paisagens marinhas’, ‘Um mil’, ‘Paisagens invisíveis’ e ‘Reversos’, de minha autoria, os múltiplos e dinâmicos lugares endereçados ao criador, à mediação tecnológica e ao universo sensorial no âmbito da prática fotográfica. 

A partir da percepção das relações diferenciais estabelecidas entre esses três domínios no âmbito de cada um desses ensaios, buscaremos observar diferentes modos de temporalizar a imagem e de configurar a paisagem.

PORTFÓLIO

To play, press and hold the enter key. To stop, release the enter key.

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom

Um mil

O que torna possível a emergência de um sujeito fotográfico não é a reprodução de formas historicamente naturalizadas, mas o registro de uma vizinhança imaginária - e, em princípio, aleatória -, que faz surgir uma nova figura do momento e do lugar. Na fotografia, o sujeito resulta da conexão entre um aparato tecnológico produtor de olhar (neste caso, um telescópio com distância focal de 1000mm acoplado a uma câmera convencional), e um instante qualquer onde a imagem aparece em um espaço sem raiz, na distância de uma duração sempre diversa. Eis uma das maneiras de a fotografia pensar a realidade e processar um sujeito para tal realidade. Estas fotos não contam uma história, mesmo apenas esboçada, nem estabelecem, entre o autor e o espectador um vínculo expositivo. Duplos de uma origem que sempre escapa, tais figuras, no limite oscilante entre o que se ensombrece e o que se ilumina, prometem uma nova temporalidade em suspenso. Para tanto, elas solicitam de nós não a adesão fascinada mas o retraimento que lhes permita acontecer.