Patricia Franca-Huchet.JPG

PATRICIA FRANCA-HUCHET

Professora Titular, Pesquisadora e Artista da Escola de Belas Artes da UFMG. Doctorat e Master pela Université de Paris I | Sorbonne. Master 1 pela Université de Paris VIII. Pós-doutorado pela Université de Paris III — no Centre de Recherche en Esthétique du Cinéma et des Images (CRECI-2008) e na EHESS no INHA (2019). Trabalha sobre a imagem focalizando seu interesse pela reconstrução crítica da tradição pictural. Divide as suas atividades entre o ensino, pesquisa, apresentações orais de trabalho, publicações, edições, curadoria de eventos e exposições. Coordena o Grupo de Pesquisa Bureau de Estudos sobre a Imagem e o Tempo no PPGartes da UFMG. Participou de várias exposições no Brasil e no exterior. Foi Residente do IEAT: Instituto de Estudos Avançados Transdisciplinares da UFMG e hoje é representante da área de Humanas no mesmo instituto. É pesquisadora do CNPq.

APRESENTAÇÃO:
Uma paisagem para Antígona: narrativa fotográfica e literária

Para o 2˚ Colóquio de Fotografia da Universidade de Brasília, Patricia Franca-Huchet apresentará uma pesquisa que dá continuidade ao seu interesse pelo figural, pelo personagem e pela teatralidade do espaço, da imagem e da paisagem. O trabalho artístico e textual sobre Antígona, em processo desde 2017, abriu a reflexão sobre esta personagem de envergadura histórica e universal, que possui características que ressoam muito na vida psíquica das mulheres hoje em dia. Judith Butler evoca a dimensão antropológica e feminina de Antígona e nos lembra que ela foi a primeira mulher que forjou a chance e a capacidade de produzir um conhecimento, uma arte e um modo de sobrevivência. Nesta perspectiva, Antígona vivência uma paisagem diversa; seja cuidando de seus irmãos frente ao mar ou seja acompanhando o seu pai cego — o maior poeta da cidade — em paisagens diversas, sobretudo marítimas. Focalizarei especialmente o momento em que se torna prisioneira, no qual a paisagem tem uma importância sensível nas imagens e no entorno desse movimento artístico, que foi acompanhado por uma longa pesquisa teórica e literária.

PORTFÓLIO

To play, press and hold the enter key. To stop, release the enter key.

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom

Antígona ou é para outro céu que estou olhando

Trabalho desde 2016 com fotografias que revisitam o conhecido e mil vezes trabalhado personagem Antígona, da peça teatral de Sófocles [400 a.C]. Esta personagem de envergadura histórica e universal possui características que ressoam muito na vida psíquica das mulheres hoje em dia. Antígona está diante do poder e diz não, faz escolhas, tenta não se perder nos limites da linguagem e da confusão mental. Sua magistral solidão e sua rebeldia mostram uma luta lenta e incerta na direção de uma subjetividade livre. Por enquanto, este trabalho com fotografias — instalação — conta com seis momentos:  infância [Antígona, filha mais velha, brincou à beira das águas protegida por Netuno enquanto tinha como tarefa cuidar de seus irmãos]; Secreta Solidão [Antígona é artista e também arqueira]; Por onde andou [caminhou como mendiga, seguindo seu pai cego, o maior poeta da cidade], Fúria [seu transe furioso e catártico decorrente da resistência e da difícil luta contra a tirania: ela foi capaz de enfrentar a mentira e a crueldade]; Meditação [ quando busca o equilíbrio perdido nas lutas] e A Prisioneira [o seu caminho para a morte]. Estas imagens tem uma estreita relação com a narratividade e a teatralidade, que foram trabalhadas para que não nos esqueçamos que estas fotografias têm como fundamento uma personagem do teatro, que fascinou dentre inúmeros filósofos, artistas, escritores, poetas, historiadores e pensadores Judith Butler, Júlia Kristeva, Henry Bauchau, Philippe Lacoue-Labarthe, Jacques Derrida, Jacques Lacan, Bertold Brecht, os poeta Friedrich Holderlin e Johann W. v Goethe, Hegel, e também Jeanne Moreau, artista francêsa, que em depoimento revela ter sido a peça Antígona — vista por ela aos treze anos — o que lhe proporcionou a percepção do teatro e o desejo intenso de conhecê-lo.